full screen background image
Search
quinta, 19 outubro 2017
  • :
  • :

Ouça ou Baixe o hino da 13ª Região Tradicionalista:


A 13ª Região Tradicionalista (13ª RT), com sede em Santa Maria, conta atualmente com 89 entidades filiadas.
É composta pelos seguintes municípios: Agudo, Dilermando de Aguiar, Dona Francisca, Faxinal do Soturno, Formigueiro, Itaára, Ivorá, Nova Palma, Paraíso do Sul, Restinga Seca, Santa Maria, São João do Polesine, São Martinho da Serra, São Pedro do Sul, São Sepé, Silveira Martins e Vila Nova do Sul.

Indumentária histórica utilizada no Rio Grande do Sul

Era uma terra perdida perto do nada…até que o Império despertou para a importância desse pedaço de mundo localizado ao sul de seus domínios. A terra, a água, o gado, fatores que atraíram para o Rio Grande do Sul, então Continente de São Pedro, os olhares de quem estava fugindo da falência dos feudos e Guerras na Europa. Com o incentivo do Império, ficou mais fácil adentrar às terras e tomar posse, sem restrições, daquilo que lhes deram sem conhecer.

 

ÍNDIO MISSIONEIRO (1620 A 1730)

Os índios que habitavam, em especial a nação Guaranítica, tiveram a sua liberdade tolhida pela fundação dos Sete Povos da Missões, em 1687, que não só alterou seu estilo de vida indígena, como reuniu um gado xucro, que andava disperso pelos campos. Os Jesuítas espanhóis vieram para criar as Vacarias dos Pinhais e do Mar.

indios

Seus pudores vestiram o índio que, até então, apenas enrolava-se em peles de animais. Passaram a usar o Tipoy (espécie de saia) tendo o chumbe como cordão da cintura, para as mulheres.
Os homens enrolam-se em calças e camisetões, feitos de tecido rústico e, no inverno, usam o poncho de lã. Ambos andam de pés descalços.

 

CHIRIPÁ PRIMITIVO – Primeira Época (1730/1820)

Mas esses indígenas e Jesuítas não estavam sozinhos. Eles tiveram a perseguição de Bandeirantes vindos do Sudeste do país, devido ao gado em excesso que estava sob a propriedade das Missões e eram comercializados em Sorocaba (Capitania de São Paulo).
O homem rural adquiria habilidade de montaria para poder levar esse gado a Sorocaba e, além disso, essa habilidade fazia dele um peão de estância eventual, o que reforçava o uso do cavalo como meio de transporte.

peaomulher
Isso impressionou os novos donos da terra, militares reformados que ganhavam sesmarias e as transformavam em estâncias, local onde o índio procurou emprego e moradia com o fim das Missões. O homem passa a usar uma saia de couro cru, com camisa aberta ao peito, de tecido rústico, botas garrão de potro ou pés descalços, chapéu de palha para proteção do sol e intempéries, ceroulas sem crivo, faixa e colete. A mulher usa apenas uma blusa de tecido rústico e a saia em corte simples, também em tecido rústico. Os pés descalços castigavam durante a lida do campo e doméstica.

 

estancieiroContrapondo essa vestimenta de trabalho, o estancieiro, todo poderoso, usava apenas peças fabricadas dos puros tecidos vindos da Europa, dando ênfase para a ceroula de crivo ou renda trabalhada, botas fortes com esporas, calções de tecidos nobres abaixo do joelho, colete e camisa de linho, lenço no pescoço e chapéu de copa alta.

A mulher exagerava nos ornamentos, utilizando leque e vestido de tecido nobre, com renda flor e fita no cabelo em coque, sapato de couro, brincos, correntes com crucifixo e meias coloridas. Popularmente, esse traje é denominado de Braga.

 

CHIRIPÁ FARROUPILHA – Segunda Época (1820/1865)

O cavalo é cada vez mais a força desse homem campeiro e com ele o gaúcho consegue percorrer as terras e domar todos os animais que aparecem nos campo.

farroupilhaAs características do homem do campo vão mudando e é nesse período que o caráter do gaúcho vai se consolidar. Suas exigências quanto à aparência vão definir um novo perfil de homem e que passa a ter necessidade de algo mais confortável para as lides no campo, nas charqueadas e para as batalhas durante as guerras em defesa das fronteiras. O homem passa a usar o chamado Chiripá Farroupilha, semelhante a uma fralda por cima da ceroula de crivo, guaiaca, jaqueta campeira, camisa de algodão, lenço na cabeça e chapéu de copa alta. A mulher vai trajar um conjunto de saia e casaquinho, acompanhado de chale, com coque ou tranças e flores ou fitas. O sapato de couro é mais popular, o que facilita na aquisição, também as botas do peão.

 

parO estancieiro, seu patrão, usava uma calça justa com botas, camisa com lenço e colete; na cintura uma faixa e guaiaca, casaco de fino tecido e chapéu de copa alta.
A mulher do estancieiro traja o vestido de fino tecido com detalhe no pescoço, o cabelo em coque, nos pés sapatos de couro ou botinhas, e flor no cabelo. A maquiagem é discreta e os brincos são grandes.
Na cidade a moda mudava um pouco, pois a influência européia era muito mais sentida. A mulher usava vestidos rodados, com armação e chapéu de feltro para a proteção dos cabelos. O homem citadino usa calça reta de tecido leve, colete, camisa com lenço bem arrumado, fraque e chapéu

 

BOMBACHA (1865/1900)

bombacha

O tempo passa e o homem ganha nova vestimenta com a entrada da Bombacha, calça larga usada pelos homens que lutaram na Guerra do Paraguai. O homem começa a fazer uso do casaco, camisa , lenço e botas de couro. A mulher usa saia com camisa e fita no pescoço, sapatos de couro e meias-calça coloridas. Em 1950, com a visita da Miss Distrito Federal à Porto Alegre, Paixão Cortes e seus amigos convidam suas irmãs a fazerem parte das atividades tradicionalistas, tais como assar o churrasco, declamar, bailes, canto, e outros, numa forma de recepcionar a visitante. Para tal, Paixão Cortes veste suas irmãs e as de seus amigos com vestidos criados por ele mesmo. Simples, com babados, corte godê simples e pouca armação, vai compor com uma flor no cabelo o traje criado e dado como característico do gaúcho. Inicia a participação feminina nos primeiros movimentos relacionados à perpetuação dos usos e costumes gaúchos.

 

 

Fotos: Evelyn Russowsky