full screen background image
Search
quarta, 17 janeiro 2018
  • :
  • :

Ouça ou Baixe o hino da 13ª Região Tradicionalista:


A 13ª Região Tradicionalista (13ª RT), com sede em Santa Maria, conta atualmente com 89 entidades filiadas.
É composta pelos seguintes municípios: Agudo, Dilermando de Aguiar, Dona Francisca, Faxinal do Soturno, Formigueiro, Itaára, Ivorá, Nova Palma, Paraíso do Sul, Restinga Seca, Santa Maria, São João do Polesine, São Martinho da Serra, São Pedro do Sul, São Sepé, Silveira Martins e Vila Nova do Sul.

Tema dos Festejos Farroupilhas

O tema dos Festejos Farroupilhas de 2016, quando se comemoram os 180 anos da proclamação da República Rio-grandense, será ‘República das Carretas’. A apresentação do tema, definido após deliberação realizada no dia 22 de outubro pela Comissão dos Festejos, foi realizada durante o 64º Congresso Tradicionalista Gaúcho, realizado de 8 a 10 de janeiro em Bento Gonçalves, pelo presidente do IGTF – Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore, Luis Vinicius Brum.

Os tópicos de abordagem, e que deverão inspirar as atividades de instituições ligadas ao tradicionalismo em todo Rio Grande do Sul, são 10:

1 – República, uma ideia: Res + publica (coisa de todos);

2 – Revolução Francesa e maçonaria: veículos de divulgação;

3 – A proclamação da República – Antonio de Souza Neto nos Campos do Seival;

4 – A instalação da República Rio-grandense – Eleição do Primeiro Governo. Piratini;

5 – Os Italianos na Revolução – republicanos e carbonários;

6 – A imprensa – todos os jornais da República Rio-grandense;

7- A organização do Governo – As carretas como meio de transporte dos documentos;

8 – A bandeira Farroupilha, o Hino Farroupilha e o Brasão: símbolos de República Rio-grandense;

9 – O fim da República – Ponche Verde. Um acordo para fim das hostilidades;

10 – Ressurge a República com a Proclamação no Brasil em 1889 – Deodoro da Fonseca e Benjamin Constant. No Rio Grande do Sul, Julio de Castilhos e Borges de Medeiros.

“Entendemos esta data, que marca os 180 anos de um episódio tão significativo na vida do estado e do país, deva ser revisitada, comemorada, debatida, e as discussões sobre o tema haverão de ampliar o espectro do conhecimento e da compreensão de nossa jornada enquanto cultura e sociedade identificáveis’, disse Brum.

Mais informações: http://www.semanafarroupilha.com.br/home